Allons-y

I'm Gabriela and I'm Beatriz.Welcome

Web: As Vantagens de Ser Invisível.- Cap. 3 (Creditos: Beatriz/Gabriela)

23/08/2006

Aquela sala continua sendo chata, pessoas gritando, gemendo, morrendo, se engolindo na troca dos professores, parece meio idiota, mas sinto muita falta do Sr. Bill, ele era um cara legal, me dava livros, o que parece ser estúpido, porém assim, podia viver minha vida sem se preocupar! Aliás, eu acho que a viagem de Sam, Mary e Patrick não era de uma semana, era de alguns dias, sinto falta deles. Eu realmente parei de fumar, o que era uma “glória”, pois eu fumava a cada minuto que estava nervoso, meu psicólogo disse que eu poderia morrer, fico com medo disso, vai que ninguém se lembrará de mim, não quero ficar que nem Tia Helen.

Desculpe por ter tocado nesse assunto, eu fico triste, mesmo agora, meu olho está cheio de lagrimas, neste dormitório inútil, sozinho, sem a luz do dia e sem ninguém. Espero que eles voltem logo, estou preocupado.

Meu companheiro de quarto, seu nome é Edward-mas pode chamá-lo de Ed-, acabou de chegar, ele fora transferido de outra escola hoje, até que ele é legal, não me zoa, conversa comigo e me apresentou o psicólogo que ele vai e que agora eu vou também. Sinto-me feliz com ele, não estou sozinho e ele desabafa comigo e eu com ele, isso é bom, não sou mais sozinho, e ele é da minha sala! Eu odiava minha sala antes, ainda odeio, mas melhorou, aquela garotinha chata me chama de gay, realmente, eu não sou e se eu fosse eu acho que o problema é meu, e Sam finalmente voltoooooooooooooou! Estou muito feliz, vou falar com Mary Elizabeth e já volto para escrever a carta!

Querido amigo, eu não achei Mary Elizabeth, já está de noite, estou comendo waffles com suco, minha está aparência ruim, minhas costas doem, minha cabeça, tudo.

Ed chegou, acho que estava bêbado, mais que bêbado na verdade, não conseguia nem andar,

Sou depressivo, e Ed me ajudava sempre, ele era meigo! Patrick o namoraria com certeza, haha

24/08/2006

Tive que acordar Ed com um copo de água, ele quer me matar, mas tudo bem. Eu quero muito apresentá-lo ao Patrick, aposto que eles vão se adorar. Eles vão se amar, porém, eu fico na minha, ainda quero falar com Mary Elizabeth.

Estávamos em horário livre, Ed e eu estávamos sentados num campinho perto de onde a faculdade ficava, queria ver Sam, Patty e Mary. E sabem quem eu achei? Patrick! Ele estava lá perto, eu o chamei. O Nada me contou da viagem, e disse que foi bem legal, logo depois de 5 minutos, eu estava excluído da conversa de Ed e Patrick e eu fui atrás de Mary.

Parece que eu consigo ficar excluído dos excluídos, agora pensei nisso e ri. Ed acabou de me jogar um travesseiro e me mandou ir dormir e apagar a droga da luz

Mas continuando a história, porque agora ele ta sem travesseiro para jogar em mim, então vou continuar escrevendo… Ed é louco, que nem eu e Patrick. Agora ele acaba de dizer:

-Apaga essa luz, maldito!

-Você não iria conseguir dormir, está sem travesseiro - Disse eu rindo da cara dele e, nesse momento, Ed está me encarando e falando que vai pegar o MEU travesseiro

Bom, eu não quero parar de escrever, joguei o travesseiro nele, peguei meu cobertor, e enrolei em volta da luz e de mim, assim, posso escrever até eu cansar.

-Bem melhor, maluco, quem escreve às duas da manhã?

Enfim, hoje eu fui falar com Mary Elizabeth. Eu não sei o que falar pra você sobre ela, a menina é realmente especial pra mim.

Mas, às vezes, acho que ela ainda gosta de mim, sim ela terminou com o antigo namorado dela, e tenho medo de dar falsas esperanças a ela novamente.

Mas como Sam disse que era pra eu viver minha vida, não para lembrar do passado, mesmo assim, eu gosto dela. Bom, vou contar o que ela me disse.

-Olha, Charlie, você é um guri legal e tudo, mas você quebrou meu coração uma vez, pode não fazer isso de novo? Vamos ser amigos, eu sei que você gosta da Sam, não quero ser machucada novamente.

-Mary, você sabe que gosto de varias pessoas, mas no momento estou confuso, não sei de quem eu gosto e eu nunca queria partir seu coração, me desculpe.

-Tudo bem, mas sabe, decide de quem você gosta pra namorar antes de machucar os outros

-Eu não decido de quem eu gosto; você sabe disso Mary. Eu nunca quis te machucar, você é muito especial pra mim!

-Então decide, pensa e vê quem conquistou seu coração, mas que droga, eu to cansada, cheguei de viagem hoje, eu vou pro meu dormitório antes que me irrite contigo.

-Nossa,eu só to tentando ajudar, eu só queria.. -eu abaixei a cabeça e comecei a chorar naquele momento.

-Não chora, eu não quero que você chore, eu só quero que você tome uma decisão, vai e pensa, amigos? Até você se decidir…

-Eu não queria chorar,mas se você acha que eu quis te machucar,ache,eu também tenho sentimentos. Amigos.

-Então eu vou pro meu dormitório, hoje eu não tenho aula, mas você daqui a pouco

-Eu também não tenho.

-Tem, você tem, e começa daqui alguns minutos, agora corre que eu vou descansar da viagem

-Eu não tenho, para!

-Menino, não me diz que você vai faltar aula? Por favor, meus pés tão me matando da caminhada que fizemos hoje antes de voltar.

-Ai larga de ser chata! -eu dei um beijo na bochecha dela, e sai.

Não foi uma conversa agradável, mas eu simplesmente estava feliz e sai de lá,estava com vontade de matar aula, de fumar, beber, ser livre e ser infinito,como no túnel. Mas, pera que a conversa não acabou

-Não, você não vai matar aula- Sam gritou da janela de seu dormitório.

-Sam?!- Sim, o dormitório das meninas da faculdade ficava bem perto do campinho.

-Eu mesma, agora você vai pra aula, nada de fumar ou beber, corre, vai se atrasar.

-Não sou seu filho Sam e Mary Elizabeth!- Peguei um cigarro, acendi, e mostrei a Sam.

-Mary, me ajuda a arrumar minhas malas, por favor- Sam gritou para Elizabeth, Sam odiava ser contrariada, eu sabia que ela estava com vontade de me matar agora.

Sim, eu sentei no chão e olhei pra Sam como se não me importasse.

Até que eu acordei e joguei o cigarro no chão e fiquei lá, meio drogado, meio nada.

Mas que droga, Ed fica me mandando parar de escrever

-Menino, que droga, você fala enquanto escreve, cala boca.

Ed hoje não estava conseguindo dormindo e tirou a noite pra não me deixar escrever

-Ed, por favor, eu preciso disso.

-Ta tarde, vai dormir amanhã a primeira aula é geometria, então melhor dormir, aquele professor não vai com a nossa cara.

-Calma, só mais um pouco.

Continuando, eu gritei pra Sam e Mary: EU AMO VOCÊS e não, não sabia o que eu estava fazendo.

-Charlie eu estou a ponto de arrancar essas cartas da tua mão- Ed gritou

-Ed- eu gritei e joguei um papel na cara dele- Bota fones.

-Não, sério menino, escreve amanhã, eu te imploro se você quiser

-Nãaaaaaaaao,so mais 5 minutos!

-Tá bom, 5 minutos.

Nesse momento Ed veio e puxou o papel da minha mãe e guardou num cofre que ele tinha

-Pronto, agora dorme, amanhã você escreve

-Amanhã, agora dorme- e ele simplesmente dormiu.

-Ed, não. Eu prometo que eu paro, mas me devolve.

25/08/2006

Agora estou escrevendo na hora da aula de geometria, acho que vou parar por aqui, até depois

Com amor, Charlie

Editado por: Gabriela

Web: As Vantagens de Ser Invisível- Cap. 2 (Créditos: Beatriz/Gabriela)

20/08/2006

Querido colega, hoje o dia foi bem legal, na verdade não há nada para reclamar.

Além do que, como não escrevi ontem, imagina o que aconteceu! Sim, eu Mary Elizabeth, Sam, Patrick nos encontramos! Estou muito feliz por saber que eles ainda se lembram e gostam de mim.

Mas eles me avisaram que iriam fazer uma viagem com a turma deles, sim, aquilo era um saco, eu queria viajar junto. Eu realmente me deprimi, porque cara, você não sabe como é viver sem amigos, sem ninguém, eu preciso de alguém comigo, vou acabar ficando depressivo.

Ah, alias, eu achei um psicólogo aqui, o que é bom pra mim, para quando eu ficar sozinho.

Com tantas pessoas na minha sala, da mesma idade que eu, eu podia muito bem ter ficado amigo de alguém, mas não vou e fico amigo de gente mais velha, eu sou muito esperto.

Enfim, eu conversei com Sam e disse que eu ainda estava triste, daquela época que magoei Mary Elizabeth e ela me olhou e disse:

-Charlie, não fique assim, você um bom garoto e não precisa ficar triste por isso, Mary te adora, você sabe.

E assim, eu realmente comecei a chorar. Eu não entendi, mas eu chorei muito. Parecia que tudo estava sem rumo e, assim, Sam me abraçou e me deu um beijo na bochecha, o que me confortou, eu disse que a amava, ela disse que também me amava. Sei que ela me ama, porém continuo bem triste. Não quero que eles passem uma semana fora!

21/08/2006

E eles viajaram, no mesmo dia, uma garota que eu sempre via na minha sala, mas nunca havia falado comigo veio me pedir a matéria da prova, eu passei, revoltado, ela só se lembra de mim para pedir matéria ou tarefa! Todas as pessoas, que estudam na mesma sala que eu, são assim, elas te deixam de lado até que precisem de alguma coisa, bando de falsos, e o pior é que eu continuo ajudando eles só para ser simpático. Ainda se na aula fosse um clima agradável, mas não, eles me fazem ter medo de ser eu mesmo, aquelas pessoas me tornam tão limitado, eu me sinto sufocado a cada segundo que passo no mesmo lugar que aquelas pessoas.

Realmente, eu não sei o que fazer; essas pessoas que fingem isso, me enojo delas. Pensei muito sobre o que Sam me falou, eu realmente devo parar de pensar tanto, mas Mary Elizabeth me deixou e ficou com raiva e triste, eu não acredito nisso, eu acho que devo dar outra chance a ela-na verdade, eu que ferrei tudo, mas é melhor falar desse jeito-, do mesmo jeito, mas eu gosto da Sam, eu estou muito confuso.

Tenho um horário com meu psicólogo hoje, não se preocupe comigo, irei ficar bem.

Com amor, Charlie.

Editado por: Gabriela